16/01/2017 09:01

Fuga: 28 presos fogem do Complexo Penitenciário de Piraquara

Ao menos 28 detentos fugiram, na madrugada de domingo (15), do Complexo Penitenciário de Piraquara, no interior do Paraná. Nesta tarde, agentes penitenciários e o Pelotão de Choque da Polícia Militar faziam a recontagem dos presos.

Segundo a Secretaria de Segurança do Estado, por volta das 3h, presos da Casa de Custódia de Piraquara iniciaram um tumulto, para chamar a atenção dos agentes. Mais tarde, perto das 5h30, foram ouvidos dois fortes estrondos na Penitenciária Estadual de Piraquara 1 e, no local, foi localizado um buraco.

Segundo o diretor do Departamento Penitenciário do Estado, Luiz Alberto Cartaxo, o tumulto teria sido simulado pelos presos para distrair a atenção da vigilância. Em seguida, o grupo usou dinamite para explodir um muro externo da Penitenciária Estadual, por onde os presos fugiram.

Dos 28 presos, dois morreram em confronto com a polícia. Um grupo que estava do lado de fora cedeu armas para os detentos em fuga.

A Penitenciária Estadual de Piraquara 1 é um presídio de segurança máxima onde ficam detidos integrantes de facções criminosas, a maioria do Primeiro Comando da Capital. O presídio tem capacidade para 723 presos condenados.

Sem visitas

A associação dos Oficiais de Justiça do Paraná afirma que nenhum oficial vai cumprir mandado em Piraquara enquanto a situação na Penitenciária Estadual não for resolvida. A entidade diz que a intenção é não cumprir intimação para audiência, de sentença ou mesmo alvará de soltura.

O sindicato dos agentes penitenciários informou que vai cobrar que a unidade permaneça fechada para visitas, enquanto os funcionários entenderem que não há condições de trabalho. Um grupo de aproximadamente 15 homens deu cobertura, do lado de fora, para uma fuga em massa.

Para a presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná, Petruska Sviercoski, a fuga tem relação com um movimento organizado de facções criminosas em todo o Brasil.

Rompimento de facções

Há pouco mais de 10 dias, o secretário de Estado da Segurança Pública do Paraná, Wagner Mesquita, anunciou ter realizado transferências de presos depois de o serviço de inteligência ter identificado ordens para que líderes do PCC rompessem com o Comando Vermelho e outras facções. Na ocasião, o secretário confirmou que o Primeiro Comando da Capital é a facção criminosa de maior poder nas penitenciárias do Paraná. A presidente do Sindicato dos Agentes diz que o clima nas penitenciárias é tenso.

Durante a fuga deste domingo, duas pessoas foram encontradas mortas. Segundo a secretaria de segurança, eles estavam do lado de fora do complexo. O Departamento Penitenciário confirmou que eles eram presos que estavam custodiados em Piraquara e tentavam fugir. Com o grupo de 15 homens, do lado de fora, havia uma metralhadora nove milímetros, além de uma bolsa com aproximadamente 300 cartuchos e um colete balístico.

Durante a fuga, quatro homens fizeram uma família refém num haras na cidade de Quatro Barras. Eles foram rendidos pelo Bope e encaminhados para o Centro de Operações Policiais Especiais. Com o grupo foi apreendido três fuzis e duas pistolas.

Band